INCÊNDIO DE PEDRÓGÃO GRANDE - MAIS INFORMAÇÃO


ASSOCIADAS PARTICIPANTES NO FUNDO SOLIDÁRIO PARA APOIO EXTRAORDINÁRIO AOS FAMILIARES DAS PESSOAS FALECIDAS:

 EMPRESA DE SEGURO PARTICIPANTE 
 ABARCA SEGUROS, S.A.SIM
 ACP MOBILIDADE - SOC. SEG. ASSISTÊNCIASIM
 AEGON SANTANDER PORTUGAL NÃO VIDA, COMPANHIA DE  SEGUROS, S.A.SIM
 AEGON SANTANDER PORTUGAL VIDA, COMPANHIA DE  SEGUROS DE VIDA, S.A.SIM
 AGEAS PORTUGALSIM
 AGEAS PORTUGAL VIDASIM
 AIG EUROPE LIMITEDSIM
 ALLIANZ PORTUGALSIM
 ARAG INTERNACIONALSIM
 AWP P&C S.A. - SUCURSAL EM PORTUGALSIM
 AXÉRIA PREVOYANCE, S.A.SIM
 BANKINTER SEGUROS DE VIDASIM
 BBVA SEGUROS E REASEGUROSSIM
 BNP PARIBAS CARDIFSIM
 BPI VIDA E PENSÕESNÃO
 CA SEGUROSSIM
 CA VIDASIM
 CARAVELA SEGUROSSIM
 CESCE PORTUGALSIM
 CHUBB EUROPEAN GROUP LIMITEDSIM
 COFACE PORTUGALNÃO
 COMPANHIA PORTUGUESA DE RESSEGUROSSIM
 COSECSIM
 CRÉDITO Y CAUCIÓNSIM
 ERV PORTUGALSIM
 ESPAÑASIM
 EUROP ASSISTANCESIM
 EUROVIDASIM
 FIDELIDADESIM
 FIDELIDADE ASSISTANCESIM
 FINANCIAL ASSURANCE CO.SIM
 FINANCIAL INSSURANCE CO.SIM
 GENERALI - COMPANHIA DE SEGUROS, S.A.SIM
 GENERALI VIDA - COMPANHIA DE SEGUROS, S.A.SIM
 GNB - COMPANHIA DE SEGUROS, S.A.SIM
 GNB SEGUROS VIDASIM
 GROUPAMA SEGUROSSIM
 GROUPAMA SEGUROS DE VIDASIM
 INTER PARTNER ASSISTANCESIM
 LIBERTY SEGUROSSIM
 LUSITANIASIM
 LUSITANIA VIDASIM
 MAPFRE ASSISTÊNCIASIM
 MAPFRE SEGUROS DE VIDASIM
 MAPFRE SEGUROS GERAISSIM
 MÉDISSIM
 METLIFE EUROPE LIMITEDSIM
 MULTICARE SEGUROS DE SAÚDESIM
 MURIMARSIM
 MÚTUA DOS PESCADORESSIM
 N SEGUROSSIM
 OCIDENTAL SEGUROSSIM
 OCIDENTAL VIDASIM
 POPULAR SEGUROSSIM
 PRÉVOIR VIESIM
 PSN - PREVISIÓN SANITARIA NACIONALSIM
 REAL VIDA SEGUROSSIM
 RNA SEGUROS DE ASSISTÊNCIASIM
 SANTANDER TOTTA SEGUROSNÃO
 SEGURADORAS UNIDASSIM
 VIA DIRECTASIM
 VICTORIA SEGUROSSIM
 VICTORIA SEGUROS VIDASIM
 ZURICH INSURANCE PLCSIM
 ZURICH VIDASIM




CONTACTOS DAS EMPRESAS DE SEGUROS PARA PARTICIPAÇÃO DE SINISTROS RELATIVOS AO INCÊNDIO DE PEDRÓGÃO GRANDE: 

 EMPRESA DE SEGURO

 CONTACTO  TELEFÓNICO

 HORÁRIO

 E-MAIL/OBSERVAÇÕES

 Abarca Seguros, S.A.

 211 383 408

 08h30-18h30

 vfernandes@abarcaseguros.com

 Aegon Santander Portugal  Vida, Companhia de Seguros  de Vida, S.A.

 217 807 369

 Dias úteis,

 08h00-20h00

 aegonsantander@aegonsantander.pt

 Aegon Santander Portugal  Não Vida, Companhia de  Seguros, S.A.

 217 807 369


 Dias úteis,

 08h00-20h00

 aegonsantander@aegonsantander.pt

 Ageas Seguros - Assistência

 213 102 450

 Permanente 24h


 Ageas Seguros - participação  de sinistros

 217 943 039

 226 081 399

 707 281 281

 Dias úteis,

 09h00-19h00

 abertura.sinistros.patrimoniais@ageas.pt  

 AIG Europe LTD

 213 303 360

 09h00-17h00

 vitor.rodrigues@aig.com

 Allianz (Apoio local)

 925 352 345

 969 775 713

 24h


 936 520 693

 09h-19h00

 Jorge.rodrigues@allianz.pt

 Allianz (CallCenter)

 213 165 300

 24h

 info@allianz.pt

 Allianz (Assistência Viagem)

 800 201 833

 24h

 travel@allianz-assistance.com.pt

 ARAG SE - Suc em Portugal

 21 761 53 25

 09h00-13h00

 14h00-17h00

 geral@arag.pt

 Axéria (APRIL)

 213 433 362

 09h00-17h00

 sinistros@April-portugal.pt

 Bankinter Seguros de Vida

 211 150 808

 8h45-16h45

 bankintervida_bksvpt@bankinter.com

 BBVA Seguros

 210 337 242

 24 horas

 seguros.pt@bbva.com

 Caravela Seguros

 217 958 690

 Dias úteis,

 08h00-18h00

 sinistros.automovel@caravelaseguros.pt

 sinistrosnaoauto@caravelaseguros.pt

 CHUBB European Group Limited - Sucursal em Portugal  214 402 500 Dias úteis,

 09h00-17h00

 ana.cavaco@chubb.com

 Crédito Agrícola Seguros

 213 806 080

 09h00-17h30

 patrimoniais.sinistros@ca-seguros.pt

 Crédito Agrícola Seguros

 917 201 139

 24 horas


 Europ Assistance

 21 388 62 82

 24 horas

 Assistencia24H@eap.pt

 Fidelidade - Companhia de  Seguros, S. A.

 211 225 112 08h00-20h00 Esclarecimentos telefónicos e  participações de sinistros

 Generali - Companhia de  Seguros, SA

 213 703 113

 08h00-20h00

 participacaoauto@generali.pt

 participacaopatrimoniais@generali.pt

 Generali Vida - Companhia de  Seguros, S.A.

 213 112 800

 09h00-18h00

 sinistrosvida@generali.pt

 Groupama Seguros

 217 923 100

 09h00-17h00

 sinistros.groupama@groupama.pt

 Liberty Seguros

 808 243 000

 24h00

 sinistros@libertyseguros.pt

 Lusitania, Companhia de  Seguros

 210 407 511

 Dias úteis,

 08h30-19h30

 sinistros@lusitania.pt

 MAPFRE Seguros

 220 100 916

 08h45-16h45

paulavidal@mapfre.pt

 MetLife Europe d.a.c. -  Sucursal em Portugal

 808 500 005

 Dias úteis,

 08h45-12h45

 13h45-16h45

 apoiocliente@metlife.pt

 N Seguros

 220 401 252

 Dias úteis,

 08h45-22h00

 info@nseguros.pt

 Ocidental Seguros -    Assistência

 210 321 844

 Dias úteis,

 09h00-19h00


 Ocidental Seguros - Sinistros  Multirriscos

 210 096 495

 Dias úteis,

 09h00-19h00

 sinistros.patrimoniais@ocidental.pt

 OK! Teleseguros (Via Directa -  Companhia de  Seguros)

 217912827

 08h30-22h00

 Esclarecimentos telefónicos e  participações de sinistros

 Popular Seguros/Eurovida

 21 722 5527

 24 horas

 assistencia24@eap.pt

 Prévoir Vie

 226 051 470

 08h45-16h45

 gestao@prevoir.pt

 Real Vida Seguros 220 410 700

 09h00-12h45

 14h00-16h45

 sinistros@realvidaseguros.pt

 RNA Seguros de  Assistência

 210 443 600

 09h00-18h00

 david.moita@rna.com.pt

 andreia.silva@rna.com.pt

 susana.felix@rna.com.pt

 joao.pascoal@rna.com.pt

 Seguradoras Unidas -  Açoreana

 707 200 116

 08h30-20h00

 sinistros@acoreana.pt

 Seguradoras Unidas -  Logo

 707 999 288

 08h30-20h00

 sinistros@logo.pt

 Seguradoras Unidas -  Tranquilidade

 213 863 322

 08h30-20h00

 linhasinistros@tranquilidade.pt

 Seguros Continente Auto (Via  Directa - Companhia de  Seguros)

 217 948 733

 08h45-18h00

 Esclarecimentos telefónicos e  participações de sinistros

 VICTORIA-Seguros, S.A.

 VICTORIA-Seguros de Vida,  S.A.

 808 206 112

 24 horas

 victoria@victoria-seguros.pt

 Zurich

 218 645 222

 936 007 443

 08h45-12h45

 13h45-16h45

 sonia.leite@zurich.com




COMUNICADO DIVULGADO A 28 DE SETEMBRO, 2017


INCÊNDIO DE PEDRÓGÃO GRANDE: COMPENSAÇÕES ATRIBUÍDAS PELO FUNDO SOLIDÁRIO E INDEMNIZAÇÕES PAGAS AO ABRIGO DE CONTRATOS DE SEGURO

JÁ ULTRAPASSAM OS 5 MILHÕES DE EUROS


A Associação Portuguesa de Seguradores informa que está em fase de conclusão o processo de atribuição de compensações devidas pelo Fundo de Solidariedade, no valor de 2,5 milhões de euros, constituído pelas empresas de seguros, para apoio aos familiares das pessoas falecidas no incêndio de Pedrógão Grande e para apoio aos feridos graves e muito grave

Foram já analisados todos os processos relativos às 65 pessoas falecidas, assim como os processos relativos a 13 dos 14 casos de feridos graves.

Relativamente aos processos que respeitam a pessoas falecidas foram já pagas ou atribuídas compensações em 62 casos. Nos restantes 3 casos, aguarda-se ainda informação complementar.

Relativamente aos feridos, foram já pagas e/ou atribuídas compensações em 13 dos 14 casos, ainda que, nalgumas situações, o pagamento da respetiva compensação ao ferido esteja dependente da evolução da sua situação clínica. Nalguns casos, foram feitos adiantamentos aos familiares mais diretos, para poderem fazer face a despesas mais imediatas.

Até ao momento, beneficiaram do apoio deste Fundo, 87 pessoas, todas elas com vínculos familiares às pessoas falecidas. Em termos de grau de parentesco contam-se 40 filhos (5 dos quais menores); 11 cônjuges/pessoas vivendo em união de facto; 24 ascendentes e 12 irmãos. A estas 87 pessoas acrescem os 13 feridos a quem foram também atribuídas compensações, num total de 100 pessoas.

Em termos de montante total, foram já pagas e atribuídas pelo Fundo Solidário compensações no valor de 2 milhões e 96 mil euros.


Indemnizações pagas ao abrigo dos contratos de seguro

Para além das compensações pagas pelo Fundo Solidário, as empresas de seguro já pagaram também uma parte muito significativa das indemnizações devidas ao abrigo de contratos de seguro.

A título de coberturas de morte, invalidez, ou danos corporais, designadamente seguros de Vida, Acidentes de Trabalho ou Acidentes Pessoais foram também já pagos mais de 1 milhão de euros de indemnizações. Estão pendentes de pagamento mais de 1 milhão e meio de euros, devido à mecânica de funcionamento dos seguros de acidentes de trabalho sempre sujeitos ao ritmo de funcionamento dos tribunais de trabalho por onde os processos têm obrigatoriamente que transitar.

A título de seguros de bens e património, designadamente seguros com cobertura de incêndio ou multirriscos, foram já pagas indemnizações superiores a 2,6 milhões de euros para reparação de danos sofridos por 320 habitações. Estão pendentes de pagamento, cerca de 1 milhão de euros.

Foram também pagos 180 mil euros de indemnizações relativos aos danos próprios de viaturas destruídas pelos incêndios.

Em suma, as compensações atribuídas pelo fundo solidário e as indemnizações pagas ao abrigo de contratos de seguro já ultrapassam os 5 milhões de euros.


COMUNICADO DIVULGADO A 5 DE SETEMBRO, 2017


FUNDO SOLIDÁRIO DO SETOR SEGURADOR JÁ ATRIBUIU COMPENSAÇÕES NUM VALOR PRÓXIMO DE 1,5 MILHÕES DE EUROS

- Analisados processos de 56 das 65 pessoas falecidas no incêndio de Pedrógão -


A Associação Portuguesa de Seguradores vem informar que relativamente à gestão do Fundo de Solidariedade constituído pelas empresas de seguros para apoio aos familiares das pessoas falecidas no incêndio de Pedrógão Grande e aos feridos graves, no valor de 2,5 milhões de euros:


  • Foram já analisados processos de 56 das 65 pessoas falecidas no incêndio de Pedrógão. Em todos os casos foi feito um contacto pessoal com os familiares das pessoas falecidas e feita uma análise casuística da situação particular de cada um.
  • Os processos já analisados envolvem compensações já atribuídas da ordem de 1,5 milhões de euros.
  • No caso de beneficiários menores, tem-se privilegiado o pagamento de parte da compensação em renda certa, até o menor completar os 18 ou 25 anos de idade, consoante os casos.
  • A APS espera muito brevemente concluir a análise dos restantes casos, quer relativos a vítimas mortais quer aos feridos graves e efetuar o pagamento das compensações devidas, sempre de acordo com os critérios previamente definidos e que constam também de comunicados já anteriormente emitidos.


Logo que todo o processo esteja concluído, a APS divulgará uma informação final não prestando até lá quaisquer outras informações.



COMUNICADO DIVULGADO A 3 DE AGOSTO, 2017


FAMILIARES DAS VÍTIMAS JÁ ESTÃO A SER CONTACTADOS PELO FUNDO SOLIDÁRIO DO SETOR SEGURADOR

PRIMEIRAS COMPENSAÇÕES ESTÃO PAGAS


A Associação Portuguesa de Seguradores já conseguiu contactar um número significativo de familiares das vítimas do incêndio de Pedrógão Grande ¿ para o que muito contribuiu a divulgação pública da lista das vítimas e a colaboração da Associação das Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande.

Esses contactos estão a ser feitos pelas equipas que apoiam a gestão do Fundo Solidário, numa base presencial e individual, com o objetivo de avaliar a situação familiar, social e económica de cada caso e respeitando, escrupulosamente, o tempo que cada familiar necessita para lidar com este trágico acontecimento.

Não obstante esta abordagem, que privilegia o contacto pessoal, já se concluíram alguns processos de avaliação e foram já efetuados os primeiros pagamentos das compensações a atribuir pelo Fundo.

Esses contactos vão prosseguir nas próximas semanas, sem interrupções. O pagamento das compensações processar-se-á, logo que cada processo de avaliação esteja concluído e a respetiva documentação de suporte seja entregue.



COMUNICADO DIVULGADO A 25 DE JULHO, 2017


INCÊNDIOS PEDRÓGÃO GRANDE, CASTANHEIRA DE PERA E FIGUEIRÓ DOS VINHOS

SEGURADORAS JÁ PAGARAM 2,7 MILHÕES DE EUROS DE INDEMNIZAÇÕES.

METADE DOS DANOS RELATIVOS A HABITAÇÕES JÁ FORAM PAGOS.


Lisboa, 25 julho de 2017 - A Associação Portuguesa de Seguradores (APS) procede à atualização do apuramento dos danos cobertos por contratos de seguro, consequência dos trágicos incêndios do passado mês de junho na zona Centro do País, nos concelhos de Pedrógão Grande, Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos.

De acordo com o inquérito promovido pela APS, junto das empresas de seguros suas associadas, sobre os sinistros participados ao abrigo de contratos de seguro em vigor, registam-se 432 sinistros cobertos por apólices de seguros, a que corresponde um valor agregado de danos (pagos ou provisionados) da ordem dos 21,7 milhões de euros.

Destes, 2,7 milhões de euros já foram efetivamente pagos, merecendo realce o facto de cerca de metade dos danos nas 300 habitações com seguro já terem sido indemnizados -- foram pagos 1, 7 milhões de euros, num total estimado de 3,4 milhões. Mais de 80% dos capitais dos seguros de vida também já foram pagos.

Relativamente aos veículos com cobertura de danos próprios, foram recebidas 36 participações, tendo já sido pagos 116 mil euros, num total estimado de 307 mil euros.

A grande maioria das indemnizações provisionadas e ainda não pagas diz respeito a seguros de multirriscos comércio e indústria (29 processos de sinistro abertos, com 14,7 milhões de euros de danos apurados).

O pagamento das indemnizações está dependente, consoante os casos, do cumprimento de formalidades legais e judiciais, da apresentação de orçamentos e recolha de informação complementar, assim como da conclusão dos processos de habilitação de herdeiros ou identificação dos beneficiários, diligências estas que estão ainda em curso.

As seguradoras associadas da APS continuarão a assumir o pagamento de todas as indemnizações que sejam devidas ao abrigo dos contratos de seguro vigentes, nos termos e segundo os procedimentos neles previstos.



COMUNICADO DIVULGADO A 16 DE JULHO, 2017


INCÊNDIO DE PEDRÓGÃO GRANDE - FUNDO SOLIDÁRIO DO SETOR SEGURADOR

SEGURADORAS JÁ DEFINIRAM OS CRITÉRIOS PARA ATRIBUIÇÃO DAS COMPENSAÇÕES


As empresas de seguros constituíram, coletivamente, na Associação Portuguesa de Seguradores, um fundo solidário no valor de 2,5 milhões de euros, destinado a financiar a atribuição de compensações extraordinárias, de natureza excecional, de apoio aos familiares das pessoas falecidas em consequência do trágico incêndio de junho, que atingiu Pedrógão Grande, Castanheira de Pêra e Figueiró dos Vinhos.

A identificação das empresas de seguros que participam nesta iniciativa solidária pode ser consultada  no Portal da APS.

Por deliberação das empresas de seguro participantes no Fundo foi decidido apoiar, igualmente, os feridos considerados em estado grave.

Como é sabido, no referido incêndio perderam de imediato a vida 64 pessoas, além de ter havido quase uma dezena de feridos graves.

Os critérios de atribuição das compensações do Fundo Solidário estão já definidos pela equipa liderada pelo Professor Pedro Romano Martinez, Professor Catedrático e Diretor da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, e constam do texto anexo a este comunicado.

Seguir-se-á um processo de identificação de todas as pessoas que possam vir a beneficiar deste apoio e o contacto direto com todas elas, com vista à avaliação da situação pessoal de cada uma, por forma a que a repartição das verbas deste Fundo possa ser a mais justa e equitativa possível.

As equipas que irão proceder a essa avaliação estão já constituídas e em condições de iniciar esse trabalho e integram pessoas que trabalham nas empresas de seguro com muita experiência na abordagem deste tipo de situações.

Por razões de respeito pela reserva da vida pessoal de todos os potenciais beneficiários, a APS não divulgará nem a identificação nem os montantes que vierem a ser, individualmente, atribuídos, fazendo apenas um balanço global quando se justificar e, naturalmente, quando o processo for encerrado.



CRITÉRIOS DE ATRIBUIÇÃO DAS COMPENSAÇÕES DO FUNDO SOLIDÁRIO DAS EMPRESAS DE SEGUROS

Considerandos:

  1. Entre os dias 17 e 24 de junho de 2017 lavrou um incêndio com proporções inusuais nos concelhos de Pedrógão Grande, Castanheira de Pêra e Figueiró dos Vinhos;
  2. No referido incêndio perderam de imediato a vida 64 pessoas, além de ter havido quase uma dezena de feridos graves;
  3. De entre as vítimas mortais, 47 perderam a vida na EN 236-1 e alguns dos feridos graves também se encontravam na referida estrada;
  4. As demais vítimas mortais faleceram em suas casas ou nas imediações de localidades por efeito de inalação de fumo ou queimadas;
  5. Trata-se do incêndio mais mortífero de que há registo em Portugal e, segundo relato oficial, o fogo deflagrou de forma "inesperada e assustadoramente repentina, surpreendendo todos";
  6. As seguradoras criaram um Fundo especial de 2,5 milhões de euros para apoio extraordinário a familiares das pessoas falecidas e a feridos graves;
  7. O Fundo foi criado tendo em vista "exclusivamente ajudar as famílias a reorganizarem as suas vidas e a fazer face a necessidades imediatas", com fim de solidariedade.


Tendo por base estes considerandos importa determinar as diretrizes que devem presidir à distribuição do valor constante do mencionado Fundo.

Diretrizes:

1. Delimitação temporal:

  1. Mortes resultantes, diretamente, do incêndio em questão, ocorridas no sábado dia 17 de junho de 2017 ou nos dias imediatos, até sexta-feira, dia 30 de junho de 2017;
  2. Feridos graves como consequência direta do incêndio, que sofreram ferimentos entre os dias 17 e 24 de junho de 2017;


2. Delimitação geográfica:

  1. Mortes causadas pelo incêndio que lavrou nos concelhos de Pedrógão Grande, Castanheira de Pêra e Figueiró dos Vinhos, independentemente do local onde ocorreu o óbito;
  2. Feridos graves cujos ferimentos ocorreram nos concelhos de Pedrógão Grande, Castanheira de Pêra e Figueiró dos Vinhos em consequência do incêndio;


3. Delimitação quanto à finalidade prosseguida:

  1. Só atende a danos pessoais;
  2. Não pressupõe o pagamento de danos no âmbito de responsabilidade civil, nem interfere na eventual ponderação de situações enquadráveis na responsabilidade civil ou penal;
  3. Em caso de falecimento, atende-se ao regime sucessório, a regras de proximidade familiar (incluindo união de facto) e a situações de carência económica, ponderados num plano de equidade;
  4. Relativamente a todas as vítimas que faleceram no mesmo local, assenta-se na presunção de comoriência;
  5. Quanto a familiares sobrevivos das vítimas atender-se-á, primordialmente, a cônjuge (ou unido de facto), descendentes e ascendentes;
  6. Ter-se-ão, igualmente, em conta outros familiares sobrevivos que se encontrassem, à data do acidente, a cargo do falecido ou do ferido grave;
  7. Ponderar-se-á ainda o facto de existirem pessoas com crédito proveniente de obrigação legal de alimentos a cargo da vítima;
  8. Não colide nem inviabiliza qualquer cobertura de seguro aplicável (nomeadamente, seguro de incêndio, seguro de vida ou seguro de acidentes pessoais);
  9. Não complementa nem interfere com outros fundos ou mecanismos compensatórios criados em razão deste incêndio, como o previsto no Decreto-Lei n.º 81-A/2017, de 7 de julho;


4. Considera-se ferido grave aquele que fique previsivelmente com uma incapacidade permanente geral igual ou superior a 65 pontos, nos termos da Tabela de Avaliação de Incapacidades Permanentes em Direito Civil, a ponderar por um colégio de três médicos;


5. A compensação é paga em capital, mas, sempre que as circunstâncias do beneficiário o aconselhem, poderá ser fixada em renda, que não deverá exceder 60 prestações mensais;


6. O valor a atribuir por cada vítima mortal ou ferido grave estará sujeito a diversas ponderações, que poderão implicar majoração ou diminuição no valor a pagar:

  1. Existência de familiares menores a cargo da vítima;
  2. Existência de filhos maiores a cargo da vítima;
  3. Subsistência de cônjuge ou unido de facto a cargo da vítima;
  4. Existência de familiares idosos ou deficientes a cargo da vítima;
  5. Incapacidade de ferido grave que implique dependência permanente de terceira pessoa ou necessidade de adaptação de habitação ou do meio para realização do trabalho;
  6. Necessidade de relocalização da casa de morada de família de que beneficiavam familiares sobrevivos da vítima;
  7. Perda de atividade (agrícola, pecuária, silvícola ou industrial) que servia de sustento a familiares da vítima;
  8. Situação patrimonial dos beneficiários da vítima;
  9. Falecimento de várias pessoas da mesma família.


7. Em relação a cada beneficiário, as diversas ponderações valorativas indicadas não se cumulam.

- fim -



COMUNICADO DIVULGADO A 13 DE JULHO, 2017


INCÊNDIOS PEDRÓGÃO GRANDE, CASTANHEIRA DE PERA E FIGUEIRÓ DOS VINHOS

SEGURADORAS PAGAM INDEMNIZAÇÕES NO VALOR DE 18,8 MILHÕES DE EUROS


A Associação Portuguesa de Seguradores (APS) já procedeu a um primeiro apuramento dos danos cobertos por contratos de seguro, consequência dos trágicos incêndios do passado mês de junho na zona Centro do País, sobretudo nos concelhos de Pedrógão Grande, Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos.

De acordo com o inquérito promovido pela Associação Portuguesa de Seguradores junto das empresas de seguros suas associadas sobre os sinistros participados ao abrigo de contratos de seguro em vigor, destaca-se a participação de 423 sinistros cobertos por apólices de seguros, a que corresponde um valor agregado de danos (pagos ou provisionados) da ordem dos 18,8 milhões de euros.

A grande maioria destas indemnizações é suportada por seguros de multirriscos comércio e indústria (26 processos abertos, com 11,9 milhões de euros de danos apurados) e de multirriscos habitação (285 processos, com 3,3 milhões de euros de danos). Foram ainda participados 21 sinistros por acidentes de trabalho e acidentes pessoais cobertos por apólices de seguro, com 1,5 milhões de euros de danos apurados e 15 sinistros ao abrigo de apólices de seguros de vida, correspondendo-lhes cerca de 919 mil euros de valores pagos ou provisionados, à data da recolha da informação.

É possível que estes números venham ainda a aumentar, pelo que a informação agora prestada deve ser considerada provisória. A APS efetuará nova atualização da informação assim que se justifique.

As seguradoras associadas da APS irão assumir o pagamento de todas as indemnizações que sejam devidas ao abrigo dos contratos de seguro vigentes, nos termos e segundo os procedimentos neles previstos.

Recorde-se que relativamente às habitações que tenham seguro que cubra o risco de incêndio, e apenas em relação a essas, não serão aplicadas as franquias contratuais nem se aplicará em caso de infrasseguro -- ou seja, um seguro feito por valor inferior ao valor da habitação -- a denominada regra proporcional e serão calculadas as indemnizações devidas nos termos gerais.

De registar que as empresas de seguros tomaram desde logo, individualmente, medidas específicas para assegurar a pronta resposta aos seus clientes, tendo deslocado no imediato profissionais para os locais afetados pelos incêndios, abrindo canais específicos de comunicação, agilizando a regularização dos sinistros e tendo começado, de imediato, a proceder ao pagamento das indemnizações.



COMUNICADO DIVULGADO NO DIA 22 DE JUNHO, 2017


SEGURADORAS CRIAM FUNDO ESPECIAL DE 2,5 MILHÕES DE EUROS

PARA APOIO EXTRAORDINÁRIO AOS FAMILIARES DAS PESSOAS FALECIDAS


  • Os termos, eventuais limites e critérios de atribuição das compensações ao abrigo do Fundo especial, estão ainda em estudo e serão em breve divulgados, tendo sido convidado Pedro Romano Martinez, Professor Catedrático e Diretor da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, para liderar uma equipa que irá propor os critérios a adotar na repartição dessa verba pelos familiares das pessoas falecidas.
  • As seguradoras Associadas da APS, reiteram o propósito de assumir o pagamento de todas as indemnizações que sejam devidas ao abrigo dos contratos de seguro vigentes, nos termos e segundo os procedimentos neles previstos.
  • Relativamente às habitações que tenham seguro que cubra o risco de incêndio, e apenas em relação a essas, não serão aplicadas as franquias contratuais nem se aplicará em caso de infraseguro -- ou seja, um seguro feito por valor inferior ao valor da habitação -- a denominada regra proporcional e serão calculadas as indemnizações devidas nos termos gerais.


A Associação Portuguesa de Seguradores (APS) e todas as empresas de seguros suas Associadas manifestam profundo pesar pela trágica situação ocorrida no passado fim de semana no Concelho de Pedrógão Grande, endereçando sentidas condolências às famílias das pessoas falecidas, e exprimindo a sua solidariedade a todos os demais afetados pela calamidade. Aproveitam, ainda, a oportunidade para sublinhar o relevante papel de todas as corporações de bombeiros e de todas as pessoas envolvidas nas operações de combate às chamas e de socorro às vítimas e o nobre e meritório esforço desenvolvido no sentido da limitação dos efeitos da tragédia.

Apesar de ainda não ser possível efetuar o apuramento das causas, circunstâncias e consequências do evento, nem se dispor da identificação das pessoas e bens atingidos, as empresas de seguros Associadas da APS, reiteram naturalmente o propósito de assumir o pagamento de todas as indemnizações que sejam devidas ao abrigo dos contratos de seguro vigentes, nos termos e segundo os procedimentos neles previstos.

As empresas de seguros já tomaram, individualmente, medidas específicas para assegurar a pronta resposta aos seus clientes, deslocando profissionais para o local, abrindo canais específicos de comunicação e agilizando a regularização dos sinistros ao abrigo dos contratos de seguro vigentes.


Fundo Especial apoia familiares das pessoas falecidas

Adicionalmente, as empresas de seguros decidiram, coletivamente, constituir na Associação Portuguesa de Seguradores um fundo especial no valor de 2,5 milhões de euros, destinado a financiar a atribuição de compensações extraordinárias, de natureza excecional, de apoio aos familiares das pessoas falecidas em consequência deste incêndio, num processo que se pretende que seja célere.

Os termos, eventuais limites e critérios de atribuição dessas compensações estão ainda em estudo e serão em breve divulgados, tendo sido convidado Pedro Romano Martinez, Professor Catedrático e Diretor da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa para liderar uma equipa que irá propor os critérios a adotar na repartição dessa verba pelos familiares das pessoas falecidas.

Deve ser sublinhado, no entanto, que esta decisão e os pagamentos que em execução dela venham a ser feitos não significam nem envolvem o reconhecimento de qualquer tipo de responsabilidade das empresas de seguros.

De acordo com o Presidente da Associação Portuguesa de Seguradores, José Galamba de Oliveira, "o objetivo deste fundo especial é exclusivamente ajudar as famílias a reorganizarem as suas vidas e a fazer face a necessidades imediatas, em função das suas perdas."


Habitações afetadas pelo incêndio

As empresas de seguros decidiram ainda que, relativamente às habitações que tenham seguro que cubra o risco de incêndio, e apenas em relação a essas, não serão aplicadas as franquias contratuais nem se aplicará em caso de infraseguro -- ou seja, um seguro feito por valor inferior ao valor da habitação -- a denominada regra proporcional e calcularão as indemnizações devidas nos termos gerais.

Últimas

anterior1234próximo

ACERCA DA APS

A Associação Portuguesa de Seguradores é uma associação sem fins lucrativos, constituída nos termos da lei para defesa e promoção dos interesses das empresas de seguros e resseguros. O conjunto dos Associados da APS representa atualmente mais de 99% do mercado segurador, quer em volume de negócios, quer em efetivos totais empregados.

MORADA | CONTACTOS

APS | Associação Portuguesa de Seguradores
-
Rua Rodrigo da Fonseca, 41
1250-190 Lisboa
T. 213 848 100
F. 213 831 422
-
aps@apseguradores.pt
www.apseguradores.pt

ENVIE UMA MENSAGEM

Clique para listar as tarefas